domingo, 21 de febrero de 2016

Nada morre



Ouço que o passado
é matéria morta,

mas uma lembrança
bate à minha porta,

quão se um verso fosse,
quando dança o vento

do fugaz encanto
e do sentimento,

quando soam as notas
dum hino imortal,

enquanto a saudade
não é mais punhal,

e os tempos todos
são da mesma essência

que o mistério eterno,
que a muda eloquência...


Juan Martín (21-2-2016)

No hay comentarios:

Publicar un comentario

Nota: solo los miembros de este blog pueden publicar comentarios.