viernes, 18 de marzo de 2016

Trás do amor




Ando trás do amor
e fico alucinado
das folhas tão diversas dessa flor,
do jeito como o tenho imaginado.

Paixão que é viva brasa,
luar que purifica o sentimento,
desejo que se esvai como fumaça,
ou folhas arrastadas pelo vento.

Amor que é não viver e não dormir,
é um vivo amanhecer no olhar da amada,
aperto de saudade no sentir,
perfume duma flor imaculada.

É aquilo que pensei
que já não mais voltava?
São versos que sonhei?
Um astro de paixão que alumiava?

No hay comentarios:

Publicar un comentario