viernes, 24 de marzo de 2017

Nada morre






Esse meu passado ainda não morreu,
todas as lembranças ficaram ao léu,

qual uma canção que vai pelo vento
do fugaz encanto e do sentimento,

qual se fossem notas dum hino imortal
quando já as saudades não são mais punhal,

quando os tempos todos são da mesma essência
de eterno mistério, de muda eloquência.

J. Martín

No hay comentarios:

Publicar un comentario

Nota: solo los miembros de este blog pueden publicar comentarios.