domingo, 22 de abril de 2018

Ausência


A minha vida toda é apenas ausência,
É saudade infinita que não vai acabar,
É evocar noite e dia tua perdida presença,
O meu mundo perdido entre a terra e o mar.

Entre a terra e o mar, num lugar escondido
Que ninguém mais conhece mas que mora em mim,
Que por vezes aponta, dentre a névoa surgido,
Com suas lindas varandas, as que enfeita o jasmim.

Já nem sei onde estou, se estou morto ou se vivo;
Já nem sei quem eu sou, ou se a terra que piso
É do mundo real, onde moro cativo,
Ou meu belo jardim, meu gentil paraíso...

Entre sonhos, perdido, eu fiquei condenado,
A evocar teu perfil, teu perfil bem amado!!

No hay comentarios:

Publicar un comentario

Nota: solo los miembros de este blog pueden publicar comentarios.